domingo, 21 de fevereiro de 2016

Umberco Eco entre a realidade e a ficção

Li poucas coisas do Umberto Eco, "O nome da rosa", "Como fazer uma tese", e algumas entrevistas. Em uma das últimas conversas que tive com o professor Cláudio Gomes este foi nosso assunto. Eu havia lhe mostrado um texto que havia escrito sobre o incêndio do Memorial da América Latina sobre meu sentimento em relação à aquela obra. Ele me disse que não havia gostado do texto porque eu ficava no meio do caminho entre um texto poético e um texto racional de opinião técnica ou jor...nalística. Eu tinha esse privilégio de ouvir críticas desse arquiteto dos mais cultos que conheci na FAU, onde a crítica sempre se acompanhava de ensinamentos. E ele me citou o Umberto Eco, o qual estava relendo, exatamente por esse motivo, de como são os limites dos escritos entre a ficção e a realidade.
O motivo desse interesse era a estória que Cláudio Gomes pretendia escrever sobre o romance de Xica da Silva e o João Fernandes. Esse seria o início do seu livro sobre Diamantina.
Os homens cultos que escrevem, deixam perdas para a humanidade, não só para seus amigos e familiares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário