segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Ano novo feliz com a vida

Ano novo uma data que relembra tudo de bom que já passei na vida. Hoje vamos a Copacabana ver as pessoas de branco renovando suas esperanças na vida, no Brasil e no mundo. Não é pouco. Eu desejaria estar com todos meus amigos, filhos, família numa grande festa com samba e muita alegria. Desejo que todos tenham muitos projetos, que sua vida seja um rio sempre se modificando, fazendo curvas e refrescando a vida. Que o Brasil tenha muita festa popular e que as pessoas andem livremente pelas ruas. De noite e de dia sem medo, sem fome, sem dor. Isto é um sonho. A vida pode não realizá-lo mas estar vivo é construir sonhos individuais e coletivos. Eu quero misturar os dois e mergulhar nos dois e planar   numa nuvem de muita esperança. Feliz 2013, hoje vou ver o céu colorido e sorriso nas pessoas e sonhar um sonho de muitos. Viva 2013. Adeus ano velho, feliz ano novo que tudo se realize no ano que vai nascer,
muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.

Assim minha mãe puxava o coro com sua voz rouca comemorando a virada. Mãe este ano novo é pra você.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

O sol de amanhã - Viva o Corinthians

Corinthians alegria do Brasil.
Nada se compara com uma vitória do Corinthians no humor dos paulistanos.
A segunda-feira vai ser de sol mesmo que chova.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Niemeyer

Vi ontem num documentário sobre Niemeyer o Ferreira Gullar falando sobre sua obra da maneira que eu vejo a arquitetura e a nossa produção de conhecimento. Ele disse mais ou menos assim "a cultura é formada de herança e transformação, ninguém inventa nada do zero".

Fui dormir com esta mensagem tão bonita sobre o conhecimento e que deve dar a verdadeira dimensão de uma obra, ninguém sabe onde começou uma ideia,  há muitas motivações, conversas e trocas. 

Niemeyer soube usufruir de tudo da natureza, da vida e do conhecimento de seus mestres Lúcio Costa e Le Corbusier. Quero aprender mais com todos eles.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Uma pausa na vida urbana

Parei por cinco dias.
São Paulo ficou distante e pude ver o céu todo estrelado no meio do mato.
Pude ouvir o barulho da água de um pequeno riacho.
Tomar sol e sentir um calor morno e suave.
Pude viver sem TV, sem computador, sem celular, sem trabalhar.
Dormir sem barulho interno. Esvaziar a mente.
Queria poder fazer isso sempre.
O mato me lembrou meu pai e seu prazer em olhar o céu, os pássaros e e as árvores.
Ele sempre estava presente no seu momento. Acho que foi feliz.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Luiz Gonzaga - um dos reis brasileiros, o do baião


Vi o filme do Luiz Gonzaga no domingo. Fui à sessão das 20:30, horário que todo mundo em São Paulo começa a encerrar seu domingo para enfrentar mais uma semana de trabalho.

Normalmente não gosto muito de filmes biográficos pois às vezes são descrições enfadonhas de fatos que já conhecemos e não há a surpresa da ficção.


Mas, este me surpreendeu. Gostei de tudo, atores, fotografia, um retrato do Brasil dos preconceitos e da alegria nos rincões mais distantes do sertão nordestino apesar da dura vida do sertanejo.

Me comoveu muito a relação de pai e filho, sabia superficialmente dos conflitos mas a reconstrução dos laços rompidos de maneira tão bonita e a constatação de que as circunstâncias definem muitas das nossas atitudes, me fez refletir sobre minha vida e meus afetos, por onde andaram e como eles se modificaram.

"O homem é o homem e a sua circunstância" como disse o filósofo espanhol José Ortega y Gasset (1883-1955).

Isso explica muito da vida, pena que no desenrolar dos fatos não enxergamos as circunstâncias como algo importante para as escolhas na vida.

Quando o filme acabou eu não conseguia sair do lugar, primeiro pela música, mas parecia que a estória ainda estava ali e olhei para os lados e vi que ninguém se levantava para ir embora mesmo já sendo o fim do domingo. 


sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Duas alegrias neste ano de 2012

            O Corinthians ganhou a Libertadores e o Haddad e a Nádia venceram as eleições na cidade de São Paulo.
            São dois projetos populares, mas o Corinthians venceu porque apostou no trabalho coletivo. Assim espero que se dê a continuidade da vitória na política.
            Não há outra saída, nem espaço para exclusivismos, há que se unir esforços dos melhores para servirem às necessidades impostas pela realidade de São Paulo.


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

São Paulo, seu futuro, uma janela aberta, o vento que sopra, o mar sem limites

O nosso futuro não pode ser construído pelo outro.
Somos a parte principal na sua construção.

Eu retomo a rédea de tudo que fiz para minha cidade e para o meu vizinho, aquele brasileiro de que falava Mário de Andrade no poema "Descobrimento".

Assim penso em São Paulo, minha cidade.
Há um alento, uma luz na janela, um horizonte de retomada de um projeto popular.

A vida mudou e cada um vai buscando se adaptar aos novos tempos. 

O ressentimento é um tapa olho e não permite enxergar mais adiante, compreender que o abismo da realidade social é real e também o maior mal do Brasil que entrava nosso desenvolvimento.

Acho que são tempos melhores que virão.

A cidade tem que costurar a sua trama, "colar" como o método de restaurar papel, onde a cola e a nova trama do papel que fará a reconstrução mistura as fibras do rasgo profundo que separa os jovens de lá com os jovens de cá.

Retomo minha esperança no futuro, pessoal, coletivo e jovem.

O futuro é aqui e agora, com movimento, como o rio que não para de correr e nunca é o mesmo em cada ponto diferente. Tenho esperança nas águas que correm. 

No entanto, há que se construir um caminho coletivo, no olhar para os lados e ver, enxergar cada um como parte de um todo, não como soma das partes, mas com a totalidade contendo cada um.

O domingo é um dia especial para São Paulo é o dia de abrir a janela dessa sala escura em que a cidade está mergulhada. Eu vou com Haddad e Nádia.



sábado, 20 de outubro de 2012

Avenida Brasil, quem não viu?

Uma novela, um filme, uma peça de teatro, o que me interessa é a cena e o modo de fazer. Assim também a pintura, a fotografia, a música e sua estória de origem, a arquitetura e a construção do desenho. Tudo isso me interessa. 

Assisti a novela quase inteira pois além de propiciar um momento de desligamento dos fardos da vida, cada capítulo tinha uma cena acabada, um desfecho, e os atores foram criadores e criaturas, só ontem pelo jornal que leio todos os dias fiquei sabendo que era o último capítulo. Foi uma surpresa no mínimo curiosa pois isto significa que a cena em si foi mais forte que a notícia sobre ela. Gostei. Muitas coisas irreais, mas, se não fosse assim não era ficção.

Vi entrevistas de atores e autor explicando o processo de elaboração muito rico, como toda obra coletiva. Será  que a arquitetura não deveria ganhar este status?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Música de hoje - Vinícius, as mulheres e o amor


Samba da Bênção

É melhor ser alegre que ser triste
Alegria é a melhor coisa que existe
É assim como a luz no coração

Mas pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza
É preciso um bocado de tristeza
Senão, não se faz um samba não

Senão é como amar uma mulher só linda
E daí? Uma mulher tem que ter
Qualquer coisa além de beleza
Qualquer coisa de triste
Qualquer coisa que chora
Qualquer coisa que sente saudade
Um molejo de amor machucado
Uma beleza que vem da tristeza
De se saber mulher
Feita apenas para amar
Para sofrer pelo seu amor
E pra ser só perdão

Fazer samba não é contar piada
E quem faz samba assim não é de nada
O bom samba é uma forma de oração

Porque o samba é a tristeza que balança
E a tristeza tem sempre uma esperança
A tristeza tem sempre uma esperança
De um dia não ser mais triste não

Feito essa gente que anda por aí
Brincando com a vida
Cuidado, companheiro!
A vida é pra valer
E não se engane não, tem uma só
Duas mesmo que é bom
Ninguém vai me dizer que tem
Sem provar muito bem provado
Com certidão passada em cartório do céu
E assinado embaixo: Deus
E com firma reconhecida!
A vida não é brincadeira, amigo
A vida é arte do encontro
Embora haja tanto desencontro pela vida
Há sempre uma mulher à sua espera
Com os olhos cheios de carinho
E as mãos cheias de perdão
Ponha um pouco de amor na sua vida
Como no seu samba

Ponha um pouco de amor numa cadência
E vai ver que ninguém no mundo vence
A beleza que tem um samba, não

Porque o samba nasceu lá na Bahia
E se hoje ele é branco na poesia
Se hoje ele é branco na poesia
Ele é negro demais no coração

Eu, por exemplo, o capitão do mato
Vinicius de Moraes
Poeta e diplomata
O branco mais preto do Brasil
Na linha direta de Xangô, saravá!
A bênção, Senhora
A maior ialorixá da Bahia
Terra de Caymmi e João Gilberto
A bênção, Pixinguinha
Tu que choraste na flauta
Todas as minhas mágoas de amor
A bênção, Sinhô, a benção, Cartola
A bênção, Ismael Silva
Sua bênção, Heitor dos Prazeres
A bênção, Nelson Cavaquinho
A bênção, Geraldo Pereira
A bênção, meu bom Cyro Monteiro
Você, sobrinho de Nonô
A bênção, Noel, sua bênção, Ary
A bênção, todos os grandes
Sambistas do Brasil
Branco, preto, mulato
Lindo como a pele macia de Oxum
A bênção, maestro Antonio Carlos Jobim
Parceiro e amigo querido
Que já viajaste tantas canções comigo
E ainda há tantas por viajar
A bênção, Carlinhos Lyra
Parceiro cem por cento
Você que une a ação ao sentimento
E ao pensamento
A bênção, a bênção, Baden Powell
Amigo novo, parceiro novo
Que fizeste este samba comigo
A bênção, amigo
A bênção, maestro Moacir Santos
Não és um só, és tantos como
O meu Brasil de todos os santos
Inclusive meu São Sebastião
Saravá! A bênção, que eu vou partir
Eu vou ter que dizer adeus

Ponha um pouco de amor numa cadência
E vai ver que ninguém no mundo vence
A beleza que tem um samba, não

Porque o samba nasceu lá na Bahia
E se hoje ele é branco na poesia
Se hoje ele é branco na poesia
Ele é negro demais no coração

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Professor parabéns por sua dedicação

Professor deveria ter o melhor salário entre todas as profissões. O lucro dos bancos deveria possuir alta taxação destinada à educação básica. Quem faz mais pelos cidadãos deste país?

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Corinthians 5 X 5 Vasco

Nasci na hora do jogo!!!

Acabei de confirmar, o dia em que nasci, 17 de abril de 1955, foi realmente um domingo e o Corinthians jogou contra o Vasco no Pacaembu e o jogo foi 5 a 5 pelo torneio Rio-São Paulo.

Acho que pela quantidade de gols a chance de eu ter nascido na hora de algum é bem possível. Vai Corinthians!!!!

A número 100 tem que ser especial eu pensei

Postagem de número 100.

A número 100 tem que ser especial eu pensei, além disso o blog já tem mais de um ano. Comecei por uma necessidade de expressar sentimentos, pensamentos e algo sobre as coisas às quais me dedico e ao registro de memória de coisas importantes na minha vida relacionadas à minha cidade, ao meu "lugar".

E hoje me deparei com uma reportagem no jornal sobre o futuro destino do lugar onde nasci. O Hospital Matarazzo. Dito também oficialmente Hospital Humberto I (primeiro rei da Itália após a sua unificação), mas, para mim sempre o Hospital Matarazzo, construído em 1904, onde nasci eu e meu irmão mais velho, e o mais importante, onde meus pais se conheceram. Meu pai trabalhava lá e minha mãe visitava seu pai doente.


Meus pais no dia de seu casamento

Dos sete filhos, as meninas, mais velhas do que eu, nasceram em Piracicaba na Santa Casa quando meus pais se mudaram para lá. Os dois mais novos nasceram em casa com parteiras, talvez pela experiência adquirida por minha mãe após cinco filhos. Um deles nasceu no bairro da Mooca e o outro no Jabaquara em momentos diferentes da vida dos meus pais.

Engraçado pensar no momento de nascimento da vida da gente. Lá em casa a estória sempre contada é que nasci num domingo às duas da tarde durante um gol do Corinthians num jogo que o meu pai ouvia no rádio no necrotério junto com funcionários do hospital, enquanto minha mãe estava na sala de parto. 

Sempre gostei dessa estória por ser num domingo e durante um jogo do "coringão". Nunca conferi se nasci num domingo e que campeonato era aquele, mas, acho que ninguém ia inventar uma estória de nascimento. Hoje tive curiosidade de conferir. 

Provavelmente a Avenida Paulista era parecida com os postais mais antigos e não sei direito explicar se fiquei feliz ou triste com o futuro do complexo. Me lembro dos jardins do Hospital quando operei a garganta aos quatro anos de idade. Era o nosso hospital de referência pelas relações de confiança de meu pai.



Meu pai (centro) e seus amigos médicos nos jardins do Hospital

Enfim a notícia é que o o Hospital vai virar um conjunto de torres e um shopping. Destino de todas as grandes áreas abandonadas em São Paulo. Este Hospital chegou a ser administrado pelo Estado e depois o fundo de pensão do Banco do Brasil vendeu para um empreendedor imobiliário e logicamente o projeto é sempre o mesmo, mais um shopping e mais torres.

E o que fica para a cidade? 

A carcaça. 

Protegida pelo patrimônio histórico. 

Dois edifícios do complexo, um deles a capela.

Eu tive um sentimento dúbio, tristeza pela perda do meu berço, mas, a volta de seu uso me deu um pouco de alegria. A vida muda, a cidade também muda. Mas, o problema é o projeto, o programa. O empresariado não amplia sua visão.

Pode lá fazer suas torres, mas, crie espaços para a juventude, eu sempre vi ali um novo ponto cultural, ainda mais agora que os jovens transformaram a Paulista numa praia. 

Que tal um lugar onde se possa ouvir ou fazer música, estudar um texto de teatro, escrever um texto, ler um livro. Tomar um café, ir ao sapateiro, ou como me disse um aluno hoje, ir a uma pequena oficina, a um lugar da sinuca, do skate, da poesia, do artista plástico residente?

Uma miscelânea urbana, rica, cheia de vida, de encontros, de alegria. Não um lugar de consumo, não um lugar para ter, um lugar para ser. Eu iria lá onde nasci.



segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Um alento para São Paulo, a cidade não é conservadora

Discordo das pessoas que acham que o voto em São Paulo é conservador.

Aqui é uma cidade de gente que trabalha que luta no seu dia a dia para crescer e se desenvolver, para deixar cultura e educação para seus filhos, para deixar um pouco mais para os nossos filhos além do que nossos pais nos deixaram. 

Nunca se pensa em voltar para atrás e é assim que a vida deve ser ir em frente.

Chegou a hora de irmos em frente e retomarmos o papel de uma cidade exemplar. O Haddad e a Nádia representam esse sentido, o da vida que melhora a cada geração.

Eu tenho esperança que vamos derrotar aqueles que iludem com seu discurso falso moralista e que só vão às ruas na época das eleições, que prometem soluções sem mostrar o caminho.

domingo, 7 de outubro de 2012

São Paulo vai às urnas

Pela primeira vez em São Paulo a eleição não se definiu de véspera e isto é um bom sinal. 

A população desperta contra aqueles aventureiros que não tem projeto para a cidade e posam de salvadores mas se juntam com gente que a cidade baniu da política na época da máfia da propina. E desperta também contra aqueles que fingem o que não são e que já viraram as costas para a cidade. Russomano e Serra minguaram para o que lhes resta da população perdida que resiste a um projeto popular de um futuro de igualdade entre os homens e mulheres dessa cidade. 

Temos que caminhar junto com o Brasil para eliminar aquilo que representa o maior atraso para o desenvolvimento do país que é a desigualdade e a concentração de renda nas mãos de poucos, como dizia Celso Furtado.

Por isso é preciso votar no Haddad e na Nádia Campeão, eles representam a mudança de direção, a esperança dos mais pobres e dos que querem uma cidade mais humana e equilibrada.

Com eles é preciso uma Câmara que ajude nos projetos de lei que mudem pra valer esta cidade, com gente de luta como a Ana Martins, número 65611. Sua história é de dignidade na política, sempre ao lado do povo, sempre desafiando e estimulando a busca de soluções contra aqueles que emperram a mudança da realidade da periferia de São Paulo. Eu conheço esta lutadora pois tive a oportunidade de trabalhar com ela e conhecer melhor esta cidade e seus desafios. 

Boa eleição a todos nós. Não é hora de desperdiçar o voto e nem correr riscos ao retrocesso.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Cartola sempre Cartola


O Mundo é Um Moinho 
Cartola

Ainda é cedo, amor

Mal começaste a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

Preste atenção, querida

Embora eu saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco a tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor

Preste atenção, o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho.
Vai reduzir as ilusões a pó

Preste atenção, querida

De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás à beira do abismo
Abismo que cavaste com os teus pé

Filmes da semana

Tudo que desejamos
Os Intocáveis

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Estudo e saúde

Estou aqui estudando, a vida me exige não parar. Queria descansar um pouco ter um ritmo mais leve mas, ainda não conquistei este momento, talvez para o próximo ano. Quem sabe? Meus filhos seguem este ritmo, orgulho-me deles mas, é sempre preciso ter cautela com a saúde, será que eles sabem disso?
Queria ter mais tempo para ler o Fernando Pessoa.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

A cidade de São Paulo está acordando para mudar

A política ocupa um pouco mais a reflexão do dia a dia porque é o momento de falarmos de São Paulo, da cidade que queremos viver. A cidade está esgotada de ações incompletas e inadequadas para seu conjunto. A política define os projetos que serão realizados, define o equilíbrio ou não no interesse dos cidadãos.

Acho que com Haddad e Nádia Campeão São Paulo poderá dar um passo adiante. E pode-se perguntar para quem mesmo? Para todos nós.

Para quebrar com a lógica da segregação espacial em que a cidade vive. Para democratizar o acesso ao que a cidade tem de melhor. Trabalho, cultura e desenvolvimento humano pela educação. Para trazer para os bairros mais centrais a vida de novo que o morar agrega à vida urbana e levar para a periferia a melhor qualidade da vida urbana.

Para diminuir o ritmo dos automóveis para que as pessoas possam caminhar e enxergar a história da paisagem, das planícies do Rio Tietê e do Rio Pinheiros da zona sul à zona leste da cidade, do "canyon" da Nove de Julho, da Serra da Cantareira na zona norte, dos outeiros das igrejas das freguesias da época colonial, do Páteo do Colégio, da Freguesia do Ó, da Igreja de São Miguel, do espigão da Paulista, das nascentes da Vila Mariana que alimentam o lago do Ibirapuera.

Para unir a cidade e possibilitar que a sociedade se enxergue como um todo, como a terra do entroncamento de caminhos que ajudaram a ocupar e a consolidar a unidade do território nacional, terra formada por migrantes de todas as regiões do país e de todas as nacionalidades estrangeiras, que acolhe os que aqui vem trabalhar, estudar, crescer.

Dar um passo adiante. Aumentar suas calçadas, ampliar as linhas de metrô, desafogar a paisagem, desconstruir o que não nos serve mais e deixar a cidade respirar e os rios renascerem. Ver o serviço público de saúde e educação com a dignidade que merecemos todos nós paulistanos, nascidos ou acolhidos por esta cidade. Deixar a cultura que brota por toda a cidade acontecer em espaços dignos  e valorizar o jovem que enche a cidade de vida no vai e vem nas ruas e apoiar homens e mulheres nos seus afazeres além do trabalho.  Nós todos precisamos viver mais e correr menos, é o que espero para minha cidade.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

São Paulo não merece o atraso

A eleição em São Paulo precisa tomar um rumo de recuperação da cidade e fortalecimento daquilo que é o mais forte nesta cidade, a solidariedade, o respeito às diferenças entre os povos, o acolhimento aos migrantes e o sincretismo religioso.

O José Serra quer atingir o governo da Presidente Dilma com ataques pois não pretende ficar em São Paulo em 2014, e busca apoio do ex-presidente pois sua meta é o posto do planalto, pois o partido dele não tem mais nomes de projeção nacional. A população de São Paulo não é boba e não quer mais ser enganada.

São Paulo também não quer a divisão da população de acordo com sua religião e nem campanhas  sensacionalistas na TV e nem tão pouco um salvador da pátria.

A população quer caminhar com seus próprios pés, não se ilude mais com bravatas na TV, quer políticas públicas de longo prazo e um salto de civilização em nossa cidade.

São Paulo convive com todos e quer o mesmo rumo que o Brasil está tomando de desenvolvimento, nosso estado é laico, respeita todas as religiões, assim deve ser a administração pública, deve cuidar do interesse público, de todos.

O Haddad e a Nádia Campeão representam o avanço e a conexão com os rumos do desenvolvimento, têm história de luta e compromisso com o social, têm projeto para a cidade.


O desenho à mão em Projetos de equipamentos em São Paulo

Casa de Cultura- Ermelino Matarazzo 

O desenho vai informando sobre aquilo que desejamos ou não no projeto, um ir e vir com escolhas a todo momento que nos remete ao sonho, à fantasia de que o desenho contém um lugar que queremos construir. 

Esse é um dos métodos possíveis de garimpar opções como se estivéssemos esculpindo uma pedra. Inúmeras vezes erramos e outras tantas acertamos, mas sempre se perde e se ganha nas escolhas, como na vida.

As pedras que indicavam que o Rio Tietê  havia estado no terreno permaneceram até  a solução final na Casa de Cultura. Na escola José Olympio o entorno com graves problemas sociais trouxe um programa para os jovens com pista de skate e quadras externas, área para encontros musicais e "playground" para as crianças. No Sítio da Casa Pintada a ampliação traria a informática para os jovens. E na escola do Jardim Santa Fé se perdeu um campo de futebol em troca de um "campo society" e uma área para as crianças e as mulheres

Gosto das cores nos croquis pois elas criam códigos na definição dos espaços, criam ideogramas da mensagem que está sendo construída. 

São muitas voltas para se chegar a uma decisão até que enfim se cria um basta, é hora de parar no processo de mediação-criação. O programa também se constrói e se modifica através do desenho e quando ele amadurece a forma e o desenho se aprumam e os detalhes começam a aparecer e pode-se brincar com a forma e os desejos.

A estética assim toma corpo e o feio ou bonito começam a se delinear.




 Casa de Cultura- Ermelino Matarazzo 

 EMEF José Olympio - Capão Redondo

 Conversa entre arquitetos







 Casa de Cultura- Ermelino Matarazzo 

 Centro de Convivência Sítio da Casa Pintada, São Miguel Paulista

 EMEF Jardim Santa Fé 



                                                  Casa de Cultura- Ermelino Matarazzo 

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

A política de São Paulo e do Brasil - o Serra devia ter mais respeito para falar da presidente Dilma

Como pode um candidato a prefeito da maior cidade da América Latina e do Brasil, com um acúmulo de problemas de ordem nacional dizer que a Presidente da República não deve "meter o bico" na disputa de São Paulo?

Além da falta de educação dessa pessoa, é evidente que isto é uma casca de banana para os setores progressistas que querem mudar São Paulo entrarem na provocação e fornecerem munição para este homem pouco confiável que largou São Paulo na mão e deu o maior calote nas empresas contratadas da Prefeitura durante um ano.

Fato este que nunca acontecera antes de sua gestão em 2005 e chama isto de sanear as contas. São Paulo precisa sim do Governo Federal e a Presidente Dilma tem que se posicionar. Ou o Governador já não fez isto?

Aliás todos nós devemos nos posicionar, vinte anos de destruição do Estado de São Paulo demonstram que todos queremos mudança com gente nova e honesta e com capacidade de enfrentar os problemas do cotidiano sem falsas promessas, é preciso avançar na democracia para governar esta cidade tão forte e ao mesmo tempo tão maltratada.

São Paulo também não merece cair nas mãos de políticos que usam instituições religiosas que tratam de questões de interesse íntimo que saem da esfera do interesse público e não têm projeto para a cidade.

Eu vou votar no Haddad e na Nádia Campeão com muita convicção pelo o que conheço do trabalho dos dois pessoalmente durante minha trajetória na Prefeitura de São Paulo. Inovaram, cuidaram dos bens públicos e criaram oportunidades para a população pobre de São Paulo, com os CEUS, a recuperação do esporte, do lazer e cultura na cidade e com a criação do bilhete único e reorganização do sistema de transportes. Hoje com o crescimento do país e da arrecadação municipal será possível fazer muito mais. A saúde espera soluções definitivas não mutirões ocasionais que não constituem políticas permanentes.

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O blog e o ensinar

1900 visitas completadas hoje. Eu fico feliz de saber que o que me interessa também interessa a outros. A cidade onde nasci, a cidade brasileira, arquitetura e urbanismo, o desenho, música, literatura e cinema. É um pouquinho da matriz da qual somos feito, devo isto a meu pai e minha mãe e  a FAU onde conheci, vivi e me misturei com estes assuntos. Uma vida em cinco anos que marcaram os restantes. Digo aos alunos que ali me parece uma segunda casa. Espero que eles vivam esta experiência também e façam do seu futuro uma miscelânea para compartilhar com milhares o conhecimento adquirido.

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Música de hoje


Alguém que transforma o erudito em popular, que arranjo!! O violino é demais. A música Cajuína de Caetano Veloso no álbum "Eu não peço desculpa" também tem um arranjo que dá vontade de ouvir repetidas vezes. Eu não me canso de ouvir.


"Todo Errado" do álbum Eu não peço desculpa
Jorge Mautner

Eu não peço desculpa
e nem peço perdão
Não, não é minha culpa
Essa minha obsessão
Já não agüento mais
Ver o meu coração
Como um vermelho balão
Rolando e sangrando
Chutado pelo chão

Psicótico, neurótico, todo errado
Só porque eu quero alguém
Que fique vinte e quatro horas do meu lado
No meu coração eternamente colado
No meu coração eternamente colado

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Mosteiro de São Bento no RJ

Uma visita à mais importante expressão do barroco no Rio de Janeiro, o Mosteiro de São Bento.
Simples por fora e suntuoso por dentro, quase impacto ao adentrar na nave da igreja. Vista privilegiada da baía de Guanabara, fica no alto do novo porto do Rio que começa a ser renovado.